Os leitores opinam

Cumplicidade exigente

Apresentamos em forma de entrevista
os principais resultados da pesquisa realizada junto aos leitores da revista,
entre os meses de dezembro do ano passado e março deste ano.


DA REDAÇÃO


Maio de 1972. Pequenina no formato (13cm X 18cm) e pouco exigente em termos de conteúdos, nascia SEM FRONTEIRAS, dirigida à "juventude generosa do Brasil". Lançada pelo grupo dos missionários combonianos, a revista tinha, porém, um objetivo de todo tamanho, como ficou registrado no editorial da primeira edição: ajudar a "abater as barreiras do egoísmo, para que não haja fronteiras entre os homens e os povos". O caráter de abertura mundial, como o próprio nome da revista diz, permanece até hoje.

Maio de 1996. Duas dúzias de anos e 240 edições depois, SEM FRONTEIRAS mudou, ainda que o coração que nela pulsa seja o mesmo. Mudou porque os tempos mudaram: mudou o mundo, mudaram as situações, mudou também a Igreja. O próprio conceito de missão mudou bastante. As opções também foram se tornando mais claras com o passar dos anos. Cresceu, inclusive, a experiência na produção da revista, como resultado do trabalho e do esforço de tanta gente que, nesses 24 anos, não poupou energias para fazer de SEM FRONTEIRAS um veículo sério e respeitado da imprensa de Igreja em nosso país.

Os leitores desempenharam um papel fundamental em todo esse processo. Foi para ouvir mais uma vez o que eles pensam que a revista, no mês de dezembro passado, lançou uma nova pesquisa, cujos resultados principais apresentamos a seguir. Uma revista não precisa ter vergonha de falar de si mesma, sobretudo quando se trata de reproduzir o que os próprios leitores estão dizendo. É para eles que trabalhamos.

Quisemos comparar alguns dos resultados da pesquisa atual com a anterior, de 1992, quando a revista celebrou o vigésimo aniversário de sua existência.

Como é que foi o resultado da pesquisa, em termos de número de respostas?
Foi acima do esperado. Conseguimos 10% de retorno, o que é considerado bastante bom pelos especialistas da área. A esse dado positivo se junta um outro: o questionário, com 21 perguntas, muitas delas abertas, era extenso, mas a grande maioria dos leitores respondeu a todas as questões. Não há dúvida de que isso demonstra apreço e interesse pela revista.

Qual a idade dos leitores? São mais mulheres ou mais homens?
– Com 55,1% das respostas, os homens estão ligeiramente à frente das mulheres entre os leitores da revista. Praticamente não houve alteração desse dado em relação à pesquisa de quatro anos atrás.

Quanto ao primeiro item da pergunta, a tendência é para leitores de idade mais avançada. Os leitores jovens, com menos de 25 anos, somam 10,8% do total (eram 16,4% em 92). Mais da metade dos leitores (56,4%) têm entre 26 e 55 anos de idade. Em números exatos: 18,3% entre 26 e 35 anos, 20,2% entre 36 e 45 anos e 17,8% entre 46 e 55 anos. Surpreende o número de pessoas com mais de 55 anos que lêem a revista: 32,7%. Tomado isoladamente dentre as faixas etárias escolhidas para efeito da pesquisa, é o grupo mais representativo. Os dados confirmam uma tendência registrada na pesquisa anterior.

E a escolaridade?
– Somam 43,2% os leitores com curso superior. O segundo maior grupo é o dos que têm curso secundário completo ou incompleto: 30,5%. Em terceiro lugar estão os que apenas fizeram o primeiro grau, ou parte dele: 24,8%. É de 55,3% o número de leitores com formação de nível de primeiro e segundo graus. Em relação à pesquisa anterior, houve um ligeiro aumento da porcentagem de leitores de nível universitário: eram 41% em 92.

Como se situam os leitores no campo do trabalho e da renda?
– Em cada grupo de 100 assinantes da revista, 37,1% são trabalhadores assalariados e 7%, autônomos. Não chegam a 3% os que disseram que são proprietários de alguma empresa rural, industrial ou comercial. Há ainda o grupo dos estudantes (5,2%) e o das pessoas que sobrevivem do trabalho ligado à Igreja (8,6%). Com 27,3% do total, tomado isoladamente, o grupo dos aposentados e pensionistas ocupa o segundo lugar, depois do grupo dos trabalhadores assalariados. Há também o grupo dos desempregados (2,6%) e o das pessoas que não se incluíram nas categorias anteriores (7%), como é o caso, principalmente, das donas-de-casa.

A pergunta sobre a renda (que em muitos casos representa a renda familiar) mostra que 41,5% dos leitores recebem mensalmente entre 100 e 500 reais. É de 26,9% o número dos que recebem entre 500 e 1.000 reais por mês, e de 25% o dos que ganham acima de 1.000 reais. Nesta como nas outras perguntas, fecham a conta dos 100% os leitores que não responderam à pergunta, ou cuja resposta não se aplica às alternativas consideradas. Neste caso específico, são 6,5% dos leitores.

E no aspecto religioso?
– Os católicos são 97,1% do total de leitores. Há também leitores de outras Igrejas cristãs (1,1%). Não chegam a 0,5% os que disseram pertencer a outras religiões.

Os leigos são 85,3%, e os sacerdotes, religiosos/as, pastores/as, 11,5%. Em relação à pesquisa anterior, aumentou em quase 4% o número de leigos assinantes de SEM FRONTEIRAS. Cerca de 3% dos leitores não responderam à questão.

Do grupo de leigos, 56 em cada 100 responderam que participam ativamente da vida de sua Igreja ou religião e exercem alguma tarefa ou ministério específico. São lideranças comunitárias, integrantes de pastorais, catequistas, membros de equipes bíblicas ou litúrgicas, ministros da eucaristia e do matrimônio, etc. A variedade é grande. Por outro lado, 27 leigos em cada 100 responderam que participam ativamente da vida de sua Igreja ou religião, embora não exerçam nenhuma tarefa ou ministério específico. É de 14% o número dos que disseram que não participam ativamente.

Nos últimos anos, a revista mudou em muitos aspectos. Como os leitores avaliam as mudanças?
– De cada 100 assinantes, 86,9 lêem ou assinam a revista há mais de um ano, sendo que 46,5% destes a conhecem há mais de cinco anos.

SEM FRONTEIRAS está melhor ou pior do que antes?
– Dos que a conhecem há mais de um ano, 61,2% responderam que está melhor e 24,4% que continua igual. Há também os que consideram que a revista era melhor antes: 5,1%.

Quantas pessoas lêem de fato a revista?
– Em cada 100 leitores, 30,1 disseram que mais de três pessoas lêem mensalmente o seu exemplar de SEM FRONTEIRAS. Fica difícil definir exatamente o que significa "mais de três", porque muitos desses leitores disseram que usam a revista em reuniões comunitárias, escolas ou grupos diversos, ou que a repassam para vizinhos, presidiários, hospitais ou outros. Apenas 1 em cada 4 leitores respondeu que lê sozinho a revista.

O índice de leitura pode ser considerado elevado: 56,7% disseram que lêem a revista inteira, do começo ao fim, e 32,2% que lêem a maior parte das matérias. É de 8,2% o número dos que só lêem alguma coisa, sendo que não chega a 0,5% o número dos que dizem não ler nada ou quase nada.

Quais as matérias ou seções mais apreciadas?
– Perguntamos ao leitor o que ele mais lê e aprecia em SEM FRONTEIRAS. Num segundo momento, quisemos saber o que ele pediria para não retirar de jeito nenhum, ou o que ele aceitaria que fosse retirado, caso a revista estivesse para ser mudada completamente. O conjunto das repostas deveria fornecer à equipe que produz a revista uma idéia bastante exata do que mais agrada, ou menos agrada, aos leitores. E os leitores responderam, mostrando que conhecem a revista que assinam.

São estas as matérias ou seções mais lidas e apreciadas: Entrevista do mês (84,3%), Desabafo do Padre Abel (78,4%), Testemunho, agora Vivências (72,5%), Reportagens Brasil (71%), Reportagens América Latina (70,1%), Reportagens de capa (69,3%), Antena – notícias Brasil (66,2%) e Reportagens resto do mundo (65,4%). Editorial, Correio e Panorama (notícias internacionais) vêm a seguir, com mais de 60% e menos de 65% de avaliações positivas.

As respostas às perguntas seguintes demonstram que os leitores estão conscientes do que mais gostam de ler. Na hipótese de mudança nos conteúdos da revista, a maior parte dos que responderam à questão disseram que não se deve mexer de jeito nenhum no Desabafo do Padre Abel, no Testemunho (agora Vivências), na Entrevista do mês e nas Reportagens Brasil e América Latina.

E o que os leitores acham da apresentação geral da revista, da capa, fotos, desenhos e charges?
– A cara da revista agrada à grande maioria. A apresentação geral é ótima/boa para 89,7% e regular para 8,2%. Ninguém respondeu que é ruim.
A capa é ótima/boa para 87,4% dos leitores, regular para 5,9% e ruim para 0,2%. As fotos são ótimas/boas para 73,5%, regulares para 18,3% e ruins para 1,1%. Desenhos e charges agradam muito a 60,6%, agradam menos a 28,9% e não agradam a 2,7%.

Quais as principais críticas à revista?
– Cerca de 5 em cada 100 leitores disseram que não encontram deficiências em SEM FRONTEIRAS e 19,5% não responderam à questão.
Entre as deficiências apontadas encontram-se as seguintes, em ordem de importância: para 23,4% dos leitores, as matérias são muito longas; 18,5% consideram fracos os conteúdos e 17,5% reivindicam matérias mais interessantes. É de 17,7% a porcentagem dos que acham a linguagem difícil, enquanto 13,1% reclamam que a revista não chega regularmente. Para 8,3% dos leitores, a revista fala mais de política do que de religião, e para 4,9% o preço da assinatura é caro.

Em relação a outras revistas e jornais católicos, 64,6% dos que responderam à pesquisa disseram que SEM FRONTEIRAS é melhor. Para 19,3%, é igual, e para 1,7% é pior.

Os leitores também deram sugestões?
– É o que mais fizeram. A lista de sugestões é ampla e está sendo analisada com carinho pela equipe.
A pesquisa revela algo já apontado pelos que analisaram os resultados da pesquisa de 92: há uma alta dose de cumplicidade por parte dos leitores. Eles apreciam a revista, comungam de sua linha editorial e, inclusive, gostam das soluções técnicas que a equipe encontra, em termos de apresentação das matérias, diagramação, fotografias, etc. É a linha editorial da revista – seu modo de ser e suas opções – que faz com que ela possa ser apreciada ao mesmo tempo por pessoas as mais diversas, de diferentes faixas etárias, níveis de instrução escolar, profissões, salários, etc.

Por outro lado, trata-se de uma cumplicidade exigente. Os leitores mostram que gostam da revista também através das inúmeras sugestões que dão e das críticas que fazem. São sugestões de temas, matérias. São sugestões técnicas. É a sugestão, por exemplo, de maior divulgação da revista, para que ela se torne conhecida por mais gente. É a sugestão de cores, de maior número de páginas, de fazer de SEM FRONTEIRAS uma revista quinzenal, ou até semanal.

Os leitores parece estarem dizendo, assim, que querem fazer da sua revista uma revista ainda mais sua, com diversidade de temas, falando um pouco de tudo o que interessa, trazendo luzes e esperanças para compreenderem melhor o mundo, a vida, a religião... E também para encontrarem um lugar no mundo, às vezes tão complicado, da atualidade.

E como a equipe está pensando em se aproveitar dos resultados da pesquisa?
– A pesquisa é vista pela equipe como um desafio. Porque, no fundo, trata-se de trabalhar com uma gama muito grande de expectativas que devem ser pesadas no conjunto. Para citar um exemplo: as exigências dos leitores de nível superior, que reivindicam conteúdos mais sólidos, devem ser levadas em conta, sem menosprezar o fato de que a grande maioria dos leitores poderia encontrar dificuldades com matérias de maior fôlego.

Há também o nível importante das condições de produção da revista: poucas pessoas e recursos, o esforço para manter um preço acessível aos mais pobres, o ideal maior de uma revista que não se deixa pautar pela busca do lucro, etc. São fatores que pesam bastante na hora de se produzir uma revista.

SEM FRONTEIRAS, porém, gosta de desafios. Sem abandonar o seu caráter de revista cristã e missionária, aberta ao mundo, ela encara o futuro com otimismo e agradece aos seus leitores pelas críticas e sugestões. A equipe sente que a revista, mesmo com falhas e limites, está no caminho certo. E garante: vai continuar procurando fazer o melhor, pensando no leitor e pensando no compromisso cristão que sempre pautou a conduta de todos os que, nesses 24 anos, deram provas de amor à causa.